Citologia Geral

1) CITOPATOLOGIA CÉRVICO-VAGINAL (Convencional):
Denominado exame papanicolau, citologia oncótica ou exame preventivo de câncer, que compreende análise das células do cólo do uterino proporcionando um valioso diagnóstico. Esta técnica exige uma adequada colheita, com fixação imediata e correlação com dados clínicos. A amostra é depositada em uma lâmina de vidro imediatamente e submetida a técnica de papanicolau, que inclui a coloração. O laudo tem caráter presuntivo e depende de correlação clínica, colposcópica e por vezes estudo histopatológico para maior acurácia do diagnóstico. O laboratório mantém em um arquivo permanente as lâminas, disponíveis para o paciente sempre que necessário.

2) CITOPATOLOGIA ONCÓTICA GERAL (secreções e líquidos):
Denominada citologia especial, compreende a análise das células presente nos fluidos e secreções orgânicas, tais como, líquido pleural, líquido ascítico, urina, escarro, lavado bronco alveolar, LCR, entre outros, proporcionando informes valiosos no diagnóstico da doença. O laudo tem caráter presuntivo, necessitando de correlação clínica, de imagens e análise histopatológica. O laboratório mantém em um arquivo permanente as lâminas, disponíveis para o paciente sempre que necessário. PUNÇÃO ASPIRATIVA POR AGULHA FINA (PAAF) Técnica considerada minimamente invasiva, para obtenção de células de órgãos superficiais (linfonodos, tireóide, mama), ou de estruturas profundas (pulmões, fígado, rins), dirigida por ultrassonografia e/ou tomografia. Metodologia rápida, pouco dolorosa, de boa resolução, permitindo diagnosticar e direcionar a conduta de tratamento, evitando intervenção cirúrgica invasiva.

3) IMUNOHISTOQUÍMICA:
O desenvolvimento de anticorpos monoclonais propiciou uma enorme fonte de reagentes altamente específicos para a demonstração de vários antígenos tissulares ou celulares, além disso, o advento da recuperação antigênica foram fatos marcantes na evolução da imuno-histoquímica. As reações imuno-histoquímicas podem ser utilizadas nas mais diferentes situações dentro de um laboratório de patologia. As mais importantes são: elucidação do tecido de origem de uma neoplasia indiferenciada; determinação do órgão de origem de uma neoplasia diferenciada; subclassificação de linfomas; pesquisa de fatores prognósticos, terapêuticos e índices proliferativos de algumas neoplasias; identificação de estruturas, organismos e materiais secretados pelas células; e detecção de células neoplásicas metastáticas.